terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Retrospectiva 2015: 10 decepções nos cinemas e na TV

Game of Thrones foi apenas ok.

10. Game of Thrones foi apenas ok.


Ok, é Game of Thrones, o que significa dizer que, por todas as emoções a que George R. R. MartinDavid BenioffD. B. Weiss e cia. já nos submeteram até aqui, os caras têm crédito (o que é um raciocínio meio Lost, mas vale o voto de confiança). Nunca antes da história dessa série, uma temporada se distanciou tanto dos livros originais, o que não é necessariamente um problema. Mas o consenso é que a quinta – e última até então – temporada trouxe muita neve pra pouco inverno. A sensação é que fomos enrolados até os dois últimos capítulos, que, estes sim, concentraram todas as reviravoltas a que a série nos acostumou. Com ou sem Jon Snow, a gente torce para que a sexta chegue para derreter. Ou congelar, dependendo do ponto de vista. Porque em 2015, Bran Stark, que nem estava lá nessa temporada, revirou os olhinhos.
True Detective foi... difícil.
9. True Detective foi... difícil.
Já a segunda temporada de True Detective foi... difícil. É claro que depois de todo “hype” da primeira temporada – que trouxe uma linguagem fora do comum e um enredo surpreendente –, a expectativa era alta a respeito do retorno da série da HBO. Mas não foi só uma questão de comparação com a anterior. Com uma trama confusa, dispersa, entre o hermético e o sem sentido – e diálogos sofríveis, como “trollou” o Late Night with Seth Meyers –, não à toa a temporada rendeu alguns dos melhores memes do ano. Como esse aí da imagem.
Quarteto Fantástico “flopou” num nível...
8.Quarteto Fantástico “flopou” num nível...
Fracasso de público e crítica, Quarteto Fantástico não conseguiu nem sem o maior fiasco comercial do ano (medalha que, proporcionalmente, pertence a Rock The Kasbah). Com apenas 10% de críticas positivas no Rotten Tomatoes, o filme custou cerca de US$ 120 milhões e arrecadou em torno de US$ 168 milhões no mundo todo. Pouco, para o que era esperado. O resultado revelou uma rusga enorme nos bastidores entre o diretor-promessinhaJosh Trank e os estúdios (o cineasta acusou a Fox de intervencionista, afirmando que "tinha uma versão fantástica um ano atrás"); Quarteto Fantástico 2, inicialmente agendado para junho de 2017, saiu do calendário da empresa (não foi adiado; saiu); e até Kate Mara fez piada com o fracasso. Isso para dizer o mínimo.
Grandes cineastas decepcionaram. (De novo).
7. Grandes cineastas decepcionaram. (De novo).
Woody Allen e Tim Burton são quase uma unanimidade. O problema é o quase. Com uma produção prolífica e bem irregular, o primeiro consegue ser gênio (Noivo Neurótico, Noiva NervosaManhattanBlue Jasmine) e mediano (Melinda e MelindaO Sonho de Cassandra,Para Roma com Amor). O último trabalho, Homem Irracional está no segundo boco, sendo um dos filmes do cineasta com a mais baixa cotação no Rotten Tomatoes (42% de aprovação). Já o obscuro Burton, com Grandes Olhos, resolveu investir em um drama convencional "até demais", como bem lembrou a crítica do AdoroCinema.
Minority Report, a série, estreou (e você provavelmente nem sabia).
6. Minority Report, a série, estreou (e você provavelmente nem sabia).
Minority Report, a série baseada no filme de Steven Spielberg de 2002 (por sua vez, originário do universo do escritor Philip K. Dick), estreou no fim de setembro no Brasil. E você provavelmente nem sabia. Isso porque o lançamento nos Estados Unidos foi um fracasso retumbante: apenas três milhões de espectadores acompanharam o início do reboot para a TV (a título de comparação, Blindspot, no mesmo dia, foi vista por dez milhões), número que seguiu caindo. Resultado: após a exibição do terceiro capítulo, a Fox já reduziu a temporada de 13 para 10 episódios.
Adam Sandler fez “caquinha” na Netflix.
5.Adam Sandler fez “caquinha” na Netflix.
Conta com a gente: House of CardsOrange is the New BlackDemolidorUnbreakable Kimmy SchmidtBetter Call SaulJessica JonesMaster of None. Entre os filmes de ficção, uma bela estreia com Beasts of No Nation. Esses são só alguns exemplos das produções originais da Netflix, que vem investindo cada vez mais pesado em conteúdo próprio. E melhor: de qualidade. Até dar carta branca para Adam Sandler reunir sua trupe e fazer uma “comédia” recheada de escatologia. “Caquinha” é uma palavra infantil que não alcança a m... besteirada que é The Ridiculous 6 (que, aliás, tem 0% de aprovação no Rotten Tomatoes).
Títulos importantes lançados direto em home video.
4. Títulos importantes lançados direto em home video.
Ok, tão certo quanto o Natal em dezembro, acontece todo ano. Por decisão das distribuidoras (e seja lá por que razões), alguns títulos não chegam aos cinemas, sendo lançados diretamente em home video (DVD, Blu-ray) – ou disponibilizados em streaming. Mas, especialmente esse ano, a resolução afetou filmes de, em princípio, forte apelo – comercial mesmo – como Amaldiçoado (com Daniel Radcliffe), Serena (Jennifer Lawrence e Bradley Cooper juntos em um filme que não é dirigido por David O. Russell), Hacker (a “volta” deMichael Mann, com Chris Hemsworth), Ex_Machina: Instinto Artificial (cotado para a temporada de premiação), Jimi: Tudo a Meu Favor (cinebiografia de Jimi Hendrix), Dope: Um Deslize Perigoso (queridinho do Festival do Rio), Descompensada (um hit da comédia nos EUA, com Amy Schumer).
Filmes de terror que voltam do além para assombrar sua carteira.

3. Filmes de terror que voltam do além para assombrar sua carteira.

Não importa se são sequências, prequels (prévias) ou spin-off´s (derivados). Filmes de terror geralmente são lucrativos (ainda mais os de estilo found footage, de "câmera na mão", e com elenco desconhecido), mas nem sempre primam por contar uma história original. É o caso dos caça-níqueis do gênero de 2015: A Mulher de Preto 2 - Anjo da MorteSobrenatural - A OrigemA Entidade 2 e Atividade Paranormal - Dimensão Fantasma. Você pode dormir sem eles.
O acordo que limita o lançamento de um filme a até 35% das salas não foi respeitado.
2. O acordo que limita o lançamento de um filme a até 35% das salas não foi respeitado.
Ok, você fez questão de assistir a Star Wars – O Despertar da Força no dia da estreia. E talvez tenha voltado no dia seguinte para rever o filme. Mas e depois? Por mais que a gente faça questão de ver (e rever) um filme no cinema, não é legal que ele ocupe mais de 1,3 mil salas de um parque que conta com pouco menos de três mil (no caso de Star Wars 7/ número de salas do Brasil). Em dezembro do ano passado, a Agência Nacional do Cinema (Ancine) firmou um acordo (não é exatamente uma lei) com 23 empresas exibidoras e seis distribuidoras estabelecendo que nenhum lançamento de um único filme poderia ultrapassar 35% das salas de cinema do Brasil. Em 2015, portanto, a palavra deveria valer, mas não foi respeitada. Diversidade é bom.
Que Horas Ela Volta? de fora do Oscar.
1. Que Horas Ela Volta? de fora do Oscar.
Tinha tudo para ser desta vez. Mas não foi. Premiado nos festivais de Sundance e Berlim; incluído nas bolsas de aposta para o Oscar de publicações mundialmente renomadas; acordado com um importante agente de distribuição internacional (que levou o filme o circuito de mais de 20 países); anabolizado por uma verba especial da Ancine (US$ 60 mil) específica para a campanha à premiação; Que Horas Ela Volta? ficou de fora da shortlist (nove títulos passaram) da Academia, que é a última peneira até a revelação dos cinco indicados à estatueta de melhor filme estrangeiro - notícia que surpreendeu veículos como a VarietyThe Wrap e o AdoroCinema.
Uma pena, mas que não diminui a grandeza do filme de Anna Muylaert.
Via ADORO CINEMA
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...