sexta-feira, 22 de março de 2013

HQs pra Tarantino ler

Por Milena Azevedo - GHQ

swag-blue-estate-b-g-interweb-225581
Personagens pervertidamente cativantes, diálogos ácidos, violência estilizada e uma edição de videoclipe é o que se vê na série de quadrinhos Blue Estate, publicada pela Image Comics, o que torna a sua leitura ideal para os fãs de Quentin Tarantino.
Criação dos artistas búlgaros Viktor Kalvachev e Kosta YanevBlue Estate é um drama policial totalmente original, em 12 edições, no qual cada uma é desenhada por uma porção de artistas com estilos distintos.
O primeiro encadernado traz as quatro edições iniciais da série, basicamente apresentando os personagens pela narração de Roy Devine Jr., um desajeitado detetive particular, filho do prestigiado detetive da Unidade de Crimes Hediondos do Departamento de Polícia de Los Angeles.
O leitor é informado por Roy Jr. sobre as ações escusas de Vadim Petrovich Razov, o cabeça da máfia russa em Los Angeles, que usa a fachada de produtor de filmes B para lavar o dinheiro sujo advindo do comércio de drogas, prostituição, identidades roubadas e tráfico de armas.
Seu amigo Bruce Maddox, ator e diretor de filmes de ação ao estilo Steven Seagal, é o grande laranja do esquema de Razov.

Maddox é casado com Rachel, coestrela da franquia Hunt to Kill, cuja carreira foi arruinada devido à negligência do marido, que a levou a beber além da conta.
Pensando em expandir seus negócios, Razov faz um acordo com Don Luciano, cabeça da cosa mostra da Costa Oeste norte-americana, para ambas as máfias atuarem juntas no tráfico internacional de armas.
E Don Luciano é justamente a pedra no sapato do pai de Roy Jr., que há anos o investiga e agora tenta pegá-lo por intermédio de Tony Luciano, seu filho poser e babaca.
Enquanto a rotina do “Big Roy” é movimentada, o escritório de Roy Jr. está às baratas, até ele receber a visita de Maddox, que lhe oferece uma quantia substancial para acompanhar os passos de Rachel, pois ela se tornou uma perigosa mala sem alça por saber de pequenos grandes segredos.
A partir desse ponto, Roy Jr. entra na trama para ser um personagem-chave.
O roteirista Andrew Osborne acerta ao expor o começo da trama no formato de um flashback disfarçado, uma vez que a série contempla múltiplos personagens e subtramas, que, se mostradas em tempo real, poderiam desorientar o leitor.
A opção pelo revezamento das páginas entre cinco desenhistas pode parecer confusa, mas funciona bem, fazendo com que cada sequência seja vista de uma forma diferente, exagerando caricatamente a violência quando necessário.
A edição tem como material extra as belíssimas capas assinadas por Viktor Kalvachev (que concorreu ao Eisner de 2012 como melhor capista e colorista), um making of de algumas páginas de cada um dos cinco desenhistas desses quatro números, bem como estudos dos personagens, com direito a model sheets dos seus rostos feitos em argila.
No segundo volume a série extrapola o tom jocoso, tornando a história insanamente corrosiva.
A primeira página recapitula de forma enxuta e direta o que foi mostrado no volume anterior, preparando o leitor para os desdobramentos que virão.
Roy Jr. está na cola de Rachel Maddox, tirando fotos de todos os seus passos, e nem desconfia da cilada que estão armando pra ele.
Rachel, por outro lado, tenta livrar o irmão Billy de uma encrenca com Tony Luciano, jogando charme para o gângster ítalo-americano e incitando-o a cometer um crime que beneficiará a ambos.
Enquanto isso, Bruce Maddox se revela fã da série de TV Dexter e elabora um plano que acredita ser perfeito. Por isso, nem cogita qualquer tipo de imprevisto.
Para completar, o assassino de aluguel Clarence, padrinho de alcoólicos anônimos de Rachel, é ludibriado por Tony Luciano e literalmente puxa o gatilho que desencadeará a paranoia entre as máfias russa e italiana, a qual será potencializada quando as fotos tiradas por Roy Jr. – imagens deslocadas de um contexto muito mais medonho do que ele deduziu – chegarem às mãos de Razov, o poderoso chefão russo.
As ações de Roy Jr. e Tony Luciano são o ponto de convergência entre todas as tramas apresentadas. Ambos anseiam por impressionar seus progenitores, porque sabem estar aquém das suas habilidades e imponência, para deixar de serem tratados como crianças pelos pais.
As reviravoltas dessa multitrama ganham um alívio cômico na figura dos dois hippies maconheiros (inquilinos de Billy) e da dupla Mauro e Lino (os capangas de Tony), figurantes que protagonizam as sequências mais hilárias, com diálogos de puro nonsense.
A referência aqui recai sobre os filmes de Guy Ritchie (Jogos, trapaças e dois canos fumegantes e Snatch – Porcos e diamantes), de quem Viktor Kalvachev revelou ser fã, e de Beijos e tiros, de Shane Black. Por isso, fica a impressão que de Kalvachev e Andrew Osborne estão curtindo com a cara do leitor – mas é uma séria brincadeira.
E em vez de cinco, neste encadernado há oito desenhistas que não apenas se revezam em sequências mais longas, mas também dentro de uma página só, como a dobradinha entre Nathan Fox e Viktor Kalvachev, mostrada detalhadamente nos extras deste volume.
Vale a pena dar uma lida nos falsos posts no Twitter dos personagens, que completam o material bônus.
O volume que fecha o primeiro arco de Blue Estate mantém o padrão da série, e consegue trabalhar de forma mais equilibrada os elementos de humor, ação e suspense.
Ao longo das páginas, o leitor presencia um ótimo efeito dominó, em que cada ação influencia diretamente outra.
Rachel Maddox está no escritório de Roy Jr. para conseguir os negativos das fotos que ele tirou, e ambos acabam sendo surpreendidos pelos capangas de Tony Luciano.
Enquanto Roy Jr. faz uma “retirada estratégica”, citando A arte da guerra, Rachel cai nas garras da máfia russa e forja uma aliança com Razov, que prepara um acerto de contas com a cosa nostra.
Don Luciano, que ao saber das trapalhadas de Tony havia lhe dado uma chance de se redimir, incumbindo-o de levar seu premiado cavalo Blue Estate até o hipódromo, desespera-se ao ver se aproximar o início do derby e a baia de seu alazão continuar vazia.
Na verdade, Tony cai na armadilha preparada por Razov e Rachel, delegando sua função a Billy, o irmão de Rachel. Mas Billy não quer perder a venda de um imóvel e deixa Blue Estate nas mãos dos hippies Buddy e Gus, que não têm um pingo de pressa em cumprir a missão dada.
Razov vai ao hipódromo para observar de perto o andamento do seu plano, ameaçando Don Luciano. Para não deixar o desaforo barato, este último aciona Clarence, o assassino de aluguel, mandando-o “passar o rodo” em todo e qualquer integrante da máfia russa presente no cativeiro de Tony, uma proeminente casa azul, em Malibu.
Esta casa azul será o cenário do acerto de contas final entre as máfias russa e italiana, e a polícia de Los Angeles. Porém, o imóvel tem uns inquilinos extras que atuarão como elemento-surpresa neste imbróglio.
O epílogo dá margem para uma nova trama, mas, no site oficial da série, Viktor Kalvachev prefere deixar os leitores na dúvida se um próximo arco será realizado.
Todos os três volumes estão disponíveis para download no site da comiXology, com valores de vão de 5,99 a 8,99 dólares, mas a primeira edição pode ser lida gratuitamente.
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...