quinta-feira, 14 de março de 2013

A lenda Toriyama – mitos ou verdades?


ToriyamaToshiDensetsu
Yo!
Ou Dragon Ball Curiosidades Level Master 2… Bora se impressionar?
O autor de Dragon Ball, Akira Toriyama, é famoso por seu trabalho como desenhista e mangaká, mas não apenas como mais um. Ele é considerado o mais importante autor da Shonen Jump e especial para o próprio povo japonês. É incrível que mesmo após 20 anos do fim do mangá, ele ainda tenha vendas tão respeitáveis. Todo esse sucesso trouxe dinheiro, status e prestígio para ele. E muitas, muitas lendas.
ToriDB
A principal e mais difícil de acreditar é a da Estrada Toriyama. Existe uma estrada que teria sido construida da casa de Toriyama até o Aeroporto de Nagoya, o mais próximo de onde ele vive, para que as viagens de ida e vinda para Tóquio não fossem um problema com o trânsito da região da capital de Aichi. Assim, os originais de Dragon Ball chegariam à sede da Shueisha mais facilmente.

A maioria dos mangakás costuma morar perto de Tóquio por pura pressão das editoras. Assim, facilita o trabalho. Toriyama, natural de Nagoya, a 350 quilômetros de Tóquio, é bem bicho do mato, não gosta de sair de seu território e por isso, mora no mesmo bairro onde cresceu. Um privilégio simples para quem sustentou uma era de ouro do mangá. Mas a estrada é verdade?

É.

mig (4)
E ainda tem três pistas pra cada sentido!
O negócio é que, mesmo a cidade sendo bem próspera (Nagoya concentra muitos ricos em sua população, é a terceira maior cidade do Japão), a divisão onde Toriyama mora teve o arrecadamento de impostos dobrados só com o pagamento do autor. A própria administração da cidade admite que reagiu quando soube que Toriyama iria se mudar pra Tóquio por causa de seu trabalho. Por isso, ele exigiu que a cidade prestasse algum serviço à ele e foi atendido.
Então, afinal, de quanto é essa bocada?
Em 1999, último ano em que ele entrou na lista dos maiores contribuintes do Leão japonês, 284 milhões de ienes (5 milhões 902 mil reais no câmbio atual) somente como pessoa física, sendo que a maior parte do lucro fica na empresa dele, a Bird Studio. Só de tankohon vendido no Japão, ele recebeu por volta de 5 bilhões e 600 milhões de ienes  (112 milhões em reais). Mas se contarmos as vendas de Dr Slump e seus outros mangás, mais o que ele recebe da Toei pelas animações até hoje e da Bandai pelos produtos relacionados, esse número deve pelo menos triplicar. Vale lembrar que ele ganha royalties por Dragon Quest  também, uma das franquias de games mais bem sucedidas do Japão.
Uma vez, fizeram uma estimativa do que ele deveria receber mensalmente para uma matéria. E o resultado deu 1 bilhão de ienes, 20 milhões de reais! Por mês, sem trabalhar. Dá pra sustentar duas Narcisas, desde que elas não estejam em depressão!
NarcisaGenkidama
Pra medir o sucesso de Dragon Ball, basta dizer que se cada cidadão japonês comprasse um volume, ainda não daria toda a venda que a série teve só no país. Se levar em conta o mundo, a população do Japão poderia comprar três volumes e ainda não bateria as vendas.
É muito dinheiro, mas dizem que Toriyama ainda anda de chinelo e calças velhas na rua. Ele não gosta de levar uma vida de luxos, chegando a guardar tanto dinheiro que certa época, ele passou a esconder na geladeira. ATÉ NÃO CABER MAIS. Não caber mais. Dinheiro. Em uma geladeira.
Ele é mesmo um homem do interior, retraído, um tanto tímido, apegado à sua vidinha e suas raízes. Tanto que fez alguns personagens com o sotaque local. Isso sem contar um detalhe que o resto do mundo desconhece, graças aos preconceitos durante a tradução. Goku é o maior herói caipira da cultura pop. Mas caipira de verdade, não “eu vim de Smallville mas fui na faculdade e me tornei um grande jornalista”. Goku fala com sotaque do campo, vive de pescar e caçar e não consegue se adaptar à cidade. É como se o Chico Bento pudesse voar e soltar Kamehameha.
ChicoSaiyajin
A figura que Toriyama usa para se representar, um robô com máscara de gás, é uma forma de representar sua timidez e seu jeito estranho, diferente do mundo. Ele apareceu em seus próprios mangás, sob várias formas antes desta. Primeiro, era simplesmente ele mesmo, normal, mas com óculos escuro, boné e máscara de hospital, como se quisesse se disfarçar. Aos poucos, os detalhes foram sendo incluídos e ele até se transformou em um robô. Também teve uma forma em que ele era um alienígena com a cabeça em forma de bico de pena, a G-Pen.
E também teve o boato de que Toriyama havia se convertido para Testemunha de Jeová. Esse boato correu logo após o fim do mangá, com muitas explicações ridículas, mas que se espalhou como fogo. A história que rolou: Toriyama havia sido visitado por uma entidade do mal, que lhe contou exatamente o que fazer para criar uma história que seria o maior sucesso do mundo. Ele fez exatamente como foi lhe contado e Dragon Ball se tornou um sucesso. Numa nova visita, a entidade lhe explicou que aquilo tudo era para afastar a nova geração das Testemunhas de Jeová dos ensinamentos. Ele ficou curioso, até que um dia foi visitado por membros da igreja e acabou se convertendo e se arrependendo do mangá, terminando ele, independente do que lhe diziam. Alguém realmente tomou um chá muito forte pra inventar essa história! Não demorou muito e foi negada pelo próprio autor em uma entrevista. Então, ele não é Testemunha de Jeová. Também pudera, o salvador do mundo em sua história é Satan!
28104565rtf
Tem um tempo pra Deus?
Muita gente sabe que Dragon Ball Z recebeu essa letra no final porque Toriyama disse “É só mais esse e acabou!“. Depois de Z, não tem nada! O GT, dizem, é de Gran Turismo, como acontece com modelos de carros para longas viagens. Mas internamente, dizem que é de “Gomennasai Toriyama Sensei” (Perdão, Mestre Toriyama), por obrigar a ter mais uma continuação. Na época, a Toei ia mal das pernas e precisava manter Dragon Ball, seu maior sucesso, de qualquer jeito para pagar as contas.
Aliás, no índice de mercado, só o anime de Dragon Ball vale 300 bilhões de ienes (6,2 bilhões de reais). Como assim, mais dinheiro, Toei?!
E pensar que quem está falando é aquela Toei, que incluiu um dedo em Piccolo porque “é nojento, só ele ter quatro dedos”. GT.
Piccolo
Anime<<<>>>>Mangá
No caso do Piccolo Daimaoh, o Toriyama esquecia e fazia com quatro ou cinco. Solução conveniente para dizer que ele vai poder contar até cinco.
Daimaoh
Com apenas 5 segundos, eu vou lhe fazer parar de respirar e…
ESQUECI! Só tenho quatro dedos!! DROGA!
Dragon Ball, Dragon Ball… mas não pode se esquecer de Dr Slump, primeiro grande sucesso de Toriyama. Dr Slump é um material pré-otaku, quando ainda não existiam os fãs, lojas especializadas e produtos relacionados. No entanto, foi um sucesso gigantesco e chegou a criar tendências dentro da sociedade japonesa, como o Arale-go, um jeito diferente de falar, como se fosse a personagem, com seus vários bordões e palavras inventadas. Ela ainda foi uma das primeiras personagens a receber cosplays, em uma época que isso ainda não se chamava assim. Mais que cosplays, os óculos da Arale, aqueles grandões, de armação quadrada e preta, venderam como água e se tornaram uma peça da moda da época. Não apenas os “otakus” usavam, mas modelos e atrizes também. É uma coisa completamente diferente de inspirar fãs a se vestirem em eventos, um nível completamente à parte.
A música de encerramento “Arale Ondo” foi usada em eventos escolares durante anos, mesmo depois do fim de Dr Slump. Outro tema, Wai Wai World, é lembrado até hoje e usado em alguns comerciais recentes. Em Hong Kong, Dr Slump é ainda mais lembrado. Dr Slump chega a ser um dos três mangás japoneses mais lembrados por um público geral e a versão do tema na língua local ainda é cantarolada por lá.
E na época, a Shonen Jump tinha uma tendência a recusar as adaptações para anime. Isso porque os próprios animes não eram tão levados à sério pela indústria bilionária do mangá daquele tempo. Quem mudou isso foi o editor de Toriyama na época, Kazuhiko Torishima, atual CEO da Shueisha e diretor da Shueisha-Shogakukan Production, empresa que licencia o material das duas editoras. Grande responsável pelo media-mix da indústria, ele dizia que o mangá iria crescer com essa relação entre mercados diferentes. Quando Dr Slump virou anime, bateu recordes de audiência.Sua média era de 15,3%, chegando a 24,3% em seu melhor desempenho. Até hoje, é a terceira melhor audiência de anime na história. Depois disso, a Shonen Jump e a própria indústria do mangá mudou de opinião, trabalhando muito mais perto das empresas de animação.
Toriyama, antes de se casar, havia feito um “Omiai”, os encontros formais para apresentar pretendentes. A pretendente foi outra mangaká famosa, aliás muito famosa. Rumiko Takahashi, de Ranma 1/2 e Inuyasha.
O boato é real. Quem cometeu esse encontro foi Akira Sakuma, editor que trabalhou com Toriyama no “Mangaká de Akira Toriyama” (que saiu aqui pela Conrad, Manga Hetappi no original). Mas parece que o papo não rendeu e cada um seguiu seu caminho com seu próprio montinho de ienes.
Explicando: o Omiai é uma tradição japonesa. Duas pessoas que em geral não se conhecem, são apresentadas em um encontro formal, já no intuito de se casar. Pode ser realizado pelas próprias famílias ou dentro da empresa em que trabalha, mas também existem empresas especializadas em cruzar fichas. Um Badoo sob a tradição japonesa. Para um mangaká, que trabalha sete dias por semana, 365 dias ao ano, como os de periódicos semanais, ter tempo para conhecer gente, flertar, mandar presentes e depois fazer proposta é bem difícil, então os próprios editores até já fecham com empresas ou entre os mangakás de sua própria editoria, poupando problemas, dores de cabeça… Afinal, fazer o artista feliz (e manter ele desenhando) faz parte do trabalho. Ah, e a Takahashi trabalha para a Shogakukan, que é do mesmo grupo editorial da Shueisha onde está o Toriyama. Agiliza o papo.
...
Toriyama não gosta muito de falar de amor. As vezes em que usou isso em seus mangás foram imposições do editor carrasco Torishima, que adora comédias românticas. É como ter um otaku daqueles que forma casaizinhos, com poder de mandar no autor. Toriyama sente vergonha de escrever sobre romance. Por isso, em Dr Slump, a proposta de casamento é feita meio que sem querer. E em Dragon Ball é pior ainda, Goku confunde a palavra casamento com alguma comida e faz a proposta em cima de um equívoco. Mas o pior é a proposta de Akira Toriyama, o próprio. Durante uma conversa por telefone, despretensiosa, sobre o cotidiano, ele mudou o assunto do nada e pediu sua atual esposa em casamento, enquanto comia um pão doce. Dizem que a atual esposa de Toriyama também é mangaká, ou era, pois se aposentou depois que sentou na bufunfa.

Falando em Shueisha, existe um boato de que a empresa tem um protocolo com seus novatos. O primeiro trabalho de um novo funcionário do setor editorial da empresa é sempre ir para Nagoya, bater na porta do Toriyama e convencer ele a publicar algo novo. Qualquer coisa. Às vezes conseguem. Ultimamente, isso só tem acontecido quando junta Akira Toriyama e seu chapa,Masakazu Katsura (de I”s, Zetman, Video Girl Ai). Toriyama não tem muito papo com os mangakás, seus poucos amigos no meio que se sabe publicamente são Katsura, Riichiro Inagaki (de EyeShield21) e Katsuya Terada.
jiya_001
Em certo evento, promovido pela Shonen Jump, o deus do mangá, Osamu Tezuka, comentava a “nova geração” do mangá. Elogiou muito os autores (que viria a ser a Era de Ouro da Shonen Jump), comentando um por um, e de Toriyama ele falou:
Finalmente encontrei meu sucessor.
O peso disso é enorme. Tezuka já teve muitos assistentes que são lendas, como Fujiko Fujiyo(Doraemon, Super Dínamo), Shotaro Ishinomori (Kamen Rider, Cyborg 009), Tatsuo Yoshida(Speed Racer, criador do Tatsunoko Production)… Eles nunca foram considerados sucessores à altura de Tezuka, o próprio dizia que eles eram rivais.
Dragon Ball foi um dos primeiros grandes sucessos a se arriscar internacionalmente. Mas na época, era prática comum espelhar os mangás para ficarem na leitura ocidental. Dragon Ball demorou para sair porque Toriyama se negou a deixar que fizessem isso com sua obra. Afinal, a estrutura da página é pensada de uma forma que não pode simplesmente ser espelhada e funcionar completamente. Depois disso, o mercado ocidental percebeu que estava perdendo tempo espelhando e seguiu o caminho de Toriyama.
3419394268_26484e71f0_z
Aproveitando, algumas de Dragon Ball que ficaram de fora do primeiro post, porque, cá entre nós, ficou tão comprido que eu nem sabia mais o que eu já tinha incluído!
Que os nomes dos personagens de Dragon Ball muitas vezes são baseados em comida, quem conhece um pouco de Dragon Ball sabe. Por exemplo, Tenshinhan é um prato que consiste de uma tigela de arroz, coberto com uma camada de ovo que recebe um caldo chinês chamado An. Carne de caranguejo desfiada vai bem nele.  Mas e Chaozu? O amiguinho fresco do Tenshinhan tem esse nome por causa do Gyoza. Como assim? Chaozu tem seu nome escrito com os kanjis 餃子 – Gyoza na leitura japonesa, mas recebe a leitura chinesa para os ideogramas. Ah, e Gyoza costuma ser um bom acompanhamento para o Tenshinhan, lembre-se quando for à um restaurante chinês.
img_5987800
Tenshinhan e Gyoza, do Gyoza no Ousho. Quando for ao Japão, pode pedir! Minha sugestão!
Chaozu, que aliás, nunca em toda a história de Dragon Ball, conversou com Goku. Nunca. Nenhum balão trocado, nada. Sei lá, não bateu o instinto, a química falhou, sabe?
E Yajirobe? O Kuririn cabeludo? Por algum motivo, a arte da lombada dos volumes originais de Dragon Ball trazem o Yajirobe duas vezes. O que isso significa? Seria alguma mensagem de Toriyama? Os leitores mandaram cartas perguntando e Toriyama respondeu…
Duas vezes?! Como assim duas vezes?
Ele também não sabia! Ainda não tinha percebido. Aparentemente, os editores haviam percebido, mas preferiram não contar, vai que ele fica de mal humor…
Ah, e o Tenshinhan não aparece nenhuma vez!
TankohonYoko
O de cima, a versão original, com o pequeno erro. A de baixo, a versão atualizada.
Toriyama é considerado um autor preguiçoso por causa de todo o tempo em que ele dizia que queria parar de fazer mangá. Mas isso nunca alterou o fato de que ele é um dos autores mais consistentes da história da Shonen Jump, com quase nenhum atraso ou folga durante a produção do mangá. E a qualidade também não era prejudicada em nenhum momento. Isso levando em conta que durante Dragon Ball, Toriyama ainda trabalhou em Dragon Quest, Toruneko no Bouken, Chrono Trigger, nos filmes de Dragon Ball… E ele chegou até a fazer mais um mangá em paralelo, na V-Jump, mensalmente. Comparam muito o Hiramaru, de Bakuman, com Toriyama, mas ele também tem muito de Eiji Niizuma. Que outro autor semanal conseguiu fazer duas séries ao mesmo tempo?
Via XIL
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...