sexta-feira, 29 de março de 2013

Será que os Quadrinhos de Super-Heróis não nos ensinaram nada?

Por Maurício Muniz - GDQ
Ou "Por que tantos leitores de quadrinhos são preconceituosos com homossexuais, ideias igualitárias e as mudanças ocorridas na sociedade?" 
É triste, em pleno século XXI, perceber que boa parte da humanidade, em vez de evoluir, parece cada vez mais se apegar a conceitos antiquados e preconceituosos. E se já é ruim que esse tipo de pensamento retrógrado venha de representantes da mídia ou de políticos colocados erroneamente em posições de poder, não é mais aceitável que venha de pessoas que se dizem “amantes de quadrinhos”.
Será mesmo que conseguimos passar nossas vidas todas lendo aventuras de Super-Homem, Capitão AméricaHomem-AranhaX-Men e tantos outros sem que tenhamos entendido a mais simples verdade que todo gibi de super-herói ensina? Que os mais fracos merecem ser protegidos e que todos têm o direito à felicidade?
Legado de ódio
Para muitos fãs de heróis fantasiados, Steve Rogers, o Capitão América, é um modelo de virtude a ser seguido. Criado por Jack Kirby e Joe Simon em 1941, o personagem surgiu primariamente como um símbolo contra o nazismo, que à época parecia ameaçar todo o mundo. Os nazistas, muitos parecem esquecer, não apenas tentaram dominar o planeta e eliminar os judeus, como também  pôr fim às liberdades pessoais e erradicar em larga escala os homossexuais ou, ao menos, a homossexualidade. Estima-se que, entre 1933 e 1945, cerca de 50.000 homens e mulheres de inclinação homossexual foram presos e condenados à prisão ou à morte em campos de concentração na Alemanha. Se todos os fãs do Capitão América concordam que os nazistas representavam o pior da humanidade, que eram um império maligno que cometia as piores atrocidades... por que alguns, pelo visto, acham que eles estavam certos em sua perseguição aos gays?
Para essas pessoas, se o nazismo apenas perseguisse homossexuais, o Capitão América é que seria o vilão por lutar contra Hitler e seus asseclas? O mais estranho, talvez, é que muitos homofóbicos radicais gostem de chamar o movimento que defende os direitos dos homossexuais de “gayzismo”, como se a indicar que sentem-se oprimidos pela tentativa mais que justa de uma minoria em levar uma vida digna.
A verdade, a justiça e o herói de Krypton
 Um herói que surgiu para defender o homem comum foi o Super-Homem. Inventado por Joe Shuster eJerry Siegel, dois garotos pobres de Ohio, ele apareceu em 1938 com a missão maior de proteger os fracos e oprimidos. Os dois jovens haviam passado suas vidas em meio às agruras da crise econômica causada pela queda da bolsa de valores em 1929 e as aventuras que criavam para Super-Homem não o mostravam em luta contra supervilões, mas contra as injustiças sociais e econômicas existentes nos Estados Unidos à época. O herói de Krypton enfrentava senhorios corruptos, industriais desonestos e milionários inescrupulosos, entre outros, e sua “batalha sem fim” era para dar oportunidades iguais aos menos privilegiados, dar a eles a chance de levar uma vida decente.
Mais de 70 anos após o surgimento de Super-Homem, ainda não moramos em um mundo mais justo. As cotas raciais nas faculdades são repudiadas imediatamente por uma legião geralmente mal-informada que vê na proposta algo maligno e ofensivo, sem se preocupar em pesquisar a questão. Segundo dados do IBGE, há cerca de 31,1% de jovens brancos, de idades entre 15 e 24 anos, matriculados em escolas de nível superior. Já entre os negros, o número cai para 12,8%. Para muitos – que devem vibrar com as aventuras do Homem de Aço, senão nos quadrinhos, ao menos nos filmes e séries de TV – parece impossível entender que é muito difícil para um afrodescendente conseguir uma chance de entrar na faculdade no Brasil. Sim, pode parecer um discurso carregado de chantagem emocional, mas a verdade é que uma parcela grande da população negra carrega séculos de preconceito e pobreza, após terem seus antepassados trazidos ao Brasil como escravos e mais tarde libertados sem dinheiro, sendo obrigados a trabalhar por valores ínfimos que lançaram muitos num estado de subisistência. Antes de levantar a bandeira do “Sou contra”, vale se informar melhor sobre a situação, no mínimo. Aprofundar-se nos argumentos dos que defendem as cotas pode fazer muitos mudarem de opinião sobre a questão. Pode acreditar, pois foi o que aconteceu comigo. E, novamente: será que lutar por justiça e igualdade é algo nobre apenas nos quadrinhos e no cinema mas, na vida real, o ideal é colocar os nossos interesses pessoais – e muitas vezes obtusos – à frente de tudo e todos? Qualquer vilão da Marvel ou da DC ficaria orgulhoso de atitude tão egoísta.
E a questão da justiça e defesa dos oprimidos e das minorias não está presente apenas em uma questão polêmica como a das cotas raciais. Num país de maioria pobre, os donos de automóveis ainda reclamam, brigam e xingam porque os donos de bicicletas se “atrevem” a querer um pequeno espaço nas ruas, “ousam” querer o direito de transitar em seus veículos de duas rodas pelas vias principais. “Não”, dizem esses motoristas. “O lugar desses ciclistas não é nas ruas. Se não podem ter um carro, que usem o transporte público. Se querem andar de bicicleta, devem ficar confinados aos parques, para não nos incomodar.” Seriam os parques, neste caso, o equivalente à Zona Fantasma, para onde eram enviados os elementos indesejados da sociedade kryptoniana? Pois é, esse tipo de lição alguns parecem tirar dos quadrinhos... Mas vale lembrar que não é porque a presença de alguém nos incomoda, que ele não tenha o direito de estar ali.
Temidos e odiados
Mas, não importa o que se diga, são mesmo os homossexuais os mais perseguidos pelos leitores preconceituosos de super-heróis. Pra começar, eles gostariam que seus gibis nem mencionassem a existência de homossexuais, quanto mais que aparecessem neles personagens em relacionamentos homoafetivos. A desculpa de alguns é que “crianças não deveriam ser expostas a esse tipo de comportamento”. Claro, como se houvesse mesmo muitas crianças ainda lendo HQs de super-heróis atualmente. Para quem não sabe, os quadrinhos da Marvel e da DC são lidos, hoje, por adolescentes e adultos. E, mesmo que crianças sejam “expostas” ao estilo de vida dos homossexuais nos quadrinhos, isso seria apenas um reflexo do mundo atual, algo que elas verão de um jeito ou de outro. Ou você vai esconder para sempre do seu filho que dois homens ou duas mulheres podem se amar da mesma forma que o pai e a mãe dele?
A verdade é que muitos parecem sentir sua própria masculinidade ameaçada pela imagem de um herói como Alan Scott, o primeiro Lanterna Verde da DC, beijando outro homem – na tão comentada reformulação recente do personagem. E o argumento sempre é “não que eu seja homofóbico, só acho que é errado mostrar isso nos gibis.” Ok, se isso não é homofobia, o que é?
Durante quase duas décadas, a revista X-Men, da Marvel, foi o maior sucesso do mercado de quadrinhos nos Estados Unidos. Esta criação de Stan Lee e Jack Kirby sempre teve como tema recorrente o preconceito dos humanos para com os mutantes, aqueles seres tão diferentes de nós, com um estilo de vida que a humanidade não conseguia entender. Toda revista dos X-Men explicava que aqueles heróis lutavam para defender “um mundo que os teme e odeia”. E nós líamos e pensávamos: “Ó, como pode a humanidade ser assim, tão imcompreensiva? Tão cabeça-dura? Perseguir os mutantes só porque eles são diferentes? Isso é errado!” É, mas pelo visto tínhamos esses pensamentos altruístas apenas no que se referia ao mundo mágico da Marvel. Por que, na vida real, estilos de vida diferentes incomodam muita gente. Nos gibis, quem nasce diferente merece compreensão, pois não têm culpa por isso. No nosso mundo, porém, quem nasce diferente precisa ser escurraçado da sociedade e ter seus hábitos, sentimentos e crenças modificados (ou “curados”) pois são ofensivos. O roteirista inglês Alan Moorechocou muita gente quando escreveu, na introdução de V de Vingança, que parte da mídia inglesa em 1988 defendia campos de concentração para pessoas com AIDS, enquanto o governo deMargaret Thatcher dava sinais de que gostaria de erradicar a homossexualidade no Reino Unido. Seguindo esse pensamento, não é difícil imaginar que alguns sonham com a possibilidade de um futuro como o da clássica história “Dias de um Futuro Esquecido”, de Chris Claremont e John Byrne, no qual os homossexuais (e ciclistas, feministas e outros que pensem ou ajam fora da norma estabelecida pela maioria) seriam perseguidos por robôs gigantes e enviados a campos de prisioneiros... ou mortos, para eliminar de vez o incômodo.
Até o Vigia, o alienígena da Marvel que a tudo observa, deve virar o rosto para não ver algumas das coisas que fazemos e pensamos.
Com grandes poderes
Exemplos não faltam, nos quadrinhos, de lições que deveríamos ter aprendido para tornar o mundo em um lugar melhor, mais tolerante e mais justo.  Então por que tantos fãs de quadrinhos se mostram tão resistentes a trazer estas lições para o mundo real? Como conseguiram ler durante décadas histórias sobre heróis que lutam contra injustiças, protegem os mais fracos e tentam fazer do mundo um lugar melhor onde todos têm os mesmos direitos, e mesmo assim continuam preconceituosos e com uma percepção tão limitada e mesquinha?
De que vale defender os méritos dos quadrinhos de super-heróis se não mostrarmos que os bons exemplos que eles trazem podem ser aplicados na vida real? Às vezes valeria a pena parar e pensar, frente a este mundo moderno que parece trazer mudanças que muitos não conseguem entender: “O que o Super-Homem faria?”
Não adianta esperar pela picada de uma aranha radioativa para se tornar um herói do dia-a-dia. E, parafraseando uma das frases mais famosas e importantes dos quadrinhos, vale lembrar que "com grandes preconceitos... vem também grande mediocridade".
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...