quarta-feira, 6 de abril de 2016

A REPRESENTAÇÃO INDÍGENA NOS QUADRINHOS É DESTAQUE EM EXPOSIÇÃO NA ZONA NORTE DE NATAL

TIKI - criação de Giancarlo Berardi e Ivo Milazzo (mais conhecidos por seu trabalho em Ken Parker).
A partir de amanhã, dia 7 de abril, no hall de entrada da Biblioteca da Zona Norte de Natal estará aberta a Mostra sobre A REPRESENTAÇÃO INDÍGENA NOS QUADRINHOS BRASILEIROS. A exposição tem a curadoria do Cartunista e Historiador, Beto Potyguara, e pertence ao acervo do Núcleo de Museologia Social da Rede Potiguar de Televisão Educativa e Cultural – RPTV. A RPTV é uma iniciativa da Secretaria de Estado da Educação e da Cultura – SEEC/RN e da ONG Centro de Documentação e Comunicação Popular – CECOP.
Beto o pesquisador da Mostra
Embora no mês de abril exista uma data específica para se homenagear o índio (19), na realidade, o nativo brasileiro tem muito pouco ou quase nada a comemorar ao longo dos tempos em nosso país. Nesse sentido, a Mostra vem contribuir para a discussão acerca de como os indígenas vem sendo perpetuados no imaginário popular por meio dos gibis e de outras mídias. 

A mostra contempla cerca de 40 títulos, entre tirinhas, histórias em quadrinhos (HQs) e material produzido exclusivamente para a internet, onde há a predominância de estereótipos, muitos dos quais pejorativos, que reforçam a discriminação e o preconceito existentes na sociedade. Segundo Beto, isso se deve em grande parte ao fato dessas versões serem de autoria de artistas de outras etnias, que não a indígena, e que por mais bem-intencionados que estejam, muitas vezes perpetuam uma história contada sempre pelo mesmo ponto de vista – o do homem branco “civilizado”. 
São pouquíssimas as exceções que conseguem fugir a este lugar comum. O pesquisador destaca a obra “As aventuras do indiozinho Bretã” como uma promissora aposta para a quebra desse paradigma, pois os roteiros foram retirados de histórias reais contadas por crianças indígenas de um aldeamento em Santa Maria (RS), além de outro grande diferencial, o fato da HQ possuir um texto bilíngue – português e kaingang. 
Ao propor uma análise crítica de como foi produzida essa representação nas HQs brasileiras nos últimos 130 anos, a Mostra torna-se um importante fio condutor para a reflexão e discussão pertinente e contextualizada do tema, não apenas em sala de aula, mas em todos os espaços possíveis e imagináveis.

A REPRESENTAÇÃO INDÍGENA NOS QUADRINHOS BRASILEIROS integra o circuito cultural iniciado pela parceria entre a Biblioteca da Zona Norte de Natal e o Museu Nísia Floresta que estarão promovendo o intercâmbio de suas exposições durante todo o ano de 2016. 

A exposição itinerante já passou pelos municípios de Assú e de Currais Novos no ano passado e agora vai dar um passeio pela Grande Natal - inicialmente na Zona Norte de Natal e em seguida, em Nísia Floresta.

Vale a pena conferir!

Serviço:
Exposição: A Representação Indígena nos Quadrinhos Brasileiros
Coordenação do Evento: Luiz Élson Dantas
Curadoria da Exposição: Beto Potyguara
Período: de 7 de abril a 10 de maio de 2016
Horário: segunda a sexta das 8h às 12h e das 13h às 18h.
Local: Centro de Estudos e Biblioteca Escolar Professor Américo de Oliveira Costa – Av. Itapetinga, 1430, Conjunto Santarém – Zona Norte de Natal.
Acesso: gratuito
Informações: (84) 3232-7396/ 7398
Classificação indicativa: livre
--------------------------------------------------------------------
Confiram alguns autores e personagens que participam da Mostra: Angelo Agostini (Cham-Kan e Ianá), Maurício de Sousa (Papa-Capim), Ziraldo (Tininin), Altemar Domingos (Jaguara), Jayme Cortez (Tupizinho), Emilson e Emir Ribeiro (Itabira), Emanoel Amaral, Gilvan Lira, Márcio Coelho e Watson Portela (Os Guerreiros das Dunas), José Lanzelotti (Cari), Joacir Dias Xavier (Bretã), Moacir Torres (Kriti), Bira Dantas (Galdino), Marcos Vaz (Umuaraminha) e muitos outros. (BP)
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...